OCTAGON 2021

Novas perspectivas para a Palestina e Israel: roteiro para a justiça global no século XXI
Madri, Espanha | 20 de novembro de 2021

OCTAGON 2021 Informe.pdf
[ tradução não disponível ] veja em inglês ou espanhol

Apresentação

Já se passaram 30 anos desde que a Conferência de Paz de Madri abriu caminho para os Acordos de Oslo, e quase 20 anos desde que o Quarteto de Madri se sentou para definir seu “roteiro para a paz”. Essa distância no tempo é suficiente para assumir que esses instrumentos internacionais de jurisdição serviram, acima de tudo, para implementar uma transformação geográfica e demográfica da Palestina, ignorando os interesses de seus habitantes para defender, ao contrário, interesses políticos condenáveis. Durante todo esse tempo, o desespero de uma Palestina despossuída, oprimida e sitiada continuou a crescer, enquanto a comunidade judaica continua a enfrentar a crescente ameaça do antissemitismo. Ela se tornou um dispositivo alienado de ação e portadora de aspirações inatingíveis. Jerusalém hoje é uma ferida aberta, Tel-Aviv é uma projeção esquizofrênica, Gaza é a sombra de uma cidade sob cerco permanente e apartheid, e a Cisjordânia é uma terra dilacerada pela perversidade da limpeza étnica e da colonização, juntamente com campos de refugiados e áreas de extremo sofrimento em países como o Líbano e a Síria.

leia mais +

Foi a busca moderna por uma solução para o conflito palestino-israelense que acabou cunhando o próprio conceito de “processo de paz”, moldando o imaginário global da complexa resolução de conflitos. Os resultados não são isentos de ironia. Madri foi pouco mais do que um presente para os Estados árabes que apoiaram Washington durante a primeira Guerra do Golfo, a pedra fundamental de um processo tão hipócrita em seus objetivos quanto assimétrico em seus interesses. Mais do que um mero slogan ou a história calculada de conversações paralisadas, aproximações truncadas e distanciamentos amargos, o processo de paz é a crônica intencional de um fracasso histórico, uma busca pela paz projetada para fracassar.

Por sua vez, o problema congelado há décadas na terra entre o Mediterrâneo e o Jordão é o expoente máximo, se não o símbolo, de todos os fantasmas da colonização e da ordem geopolítica que nos foi legada pela Segunda Guerra Mundial. O conflito palestino-israelense representa, portanto, o desafio de descolonizar e gerar novos códigos de coexistência para o século XXI.

Madri, sede do Common Action Forum e de muitas de nossas atividades, também tem sido símbolo e testemunha dos últimos grandes capítulos fracassados dessa longa catástrofe. É por isso que, de acordo com nossa vocação transformadora e nosso compromisso de alcançar novas narrativas capazes de superar os dilemas de nosso tempo, o CAF dedicará várias edições consecutivas do fórum OCTAGON à Palestina e a Israel. Reunindo especialistas de todo o mundo, exploraremos as realidades contemporâneas enfrentadas por Israel e Palestina, com o desafio de promover estratégias que reorientem a narrativa desse conflito em direção a uma solução real.

Sessões

OCTAGON – 1ª SESSÃO
A Conferência de Madri: 30 anos de uma paz fracassada

leia mais +

Depois de uma jornada interminável de declarações, conferências, cúpulas, negociações, tréguas e normalizações fracassadas, em 2021 testemunhamos os palestinos mais uma vez sendo expulsos de suas casas em Jerusalém e Gaza por um conflito que mais uma vez ceifou centenas de vidas.

Buscando estabelecer as bases para novos diálogos e abordagens mais honestas, esta primeira sessão tem como objetivo perguntar o que falhou e o que continua falhando nas várias abordagens nacionais e internacionais do conflito israelense-palestino. Para isso, é essencial analisar as propostas, mas também as atitudes e expectativas das negociações de paz que atravessaram a narrativa de três décadas de conflito.

Quais foram os principais erros de Oslo e do “roteiro”, que marcos diplomáticos fizeram a diferença no diálogo bilateral e se a mediação por forças desinteressadas e imparciais é realmente possível?

OCTAGON – 2ª SESSÃO
Do mapa ao território: implicações humanitárias de um projeto marginal transformado em instrumento hegemônico
leia mais +

Esta segunda sessão tem como objetivo realizar uma “composição de lugar”, como ponto de partida para a necessária análise política do que é provavelmente o conflito internacional mais espinhoso do período pós-guerra, frequentemente apresentado como um ato de reparação ao povo judeu.

Vários fenômenos continuam a remodelar o mapa da Palestina mais de 70 anos após a fundação do Estado de Israel: a fragmentação geográfica e a dispersão da diáspora palestina; as políticas de imigração, colonização e anexação de territórios de Israel; e o “problema demográfico” que a população palestina representa para o sionismo, apesar de os palestinos constituírem mais de 20% dos cidadãos israelenses.

Qual é o papel das forças políticas pró-palestinas na era pós-Netanyahu? Qual é o papel que a comunidade palestina no exílio pode desempenhar na construção da paz? É possível chegar a uma solução que inclua o direito de retorno dos refugiados palestinos?

OCTAGON – 3ª SESSÃO
Respostas globais às questões judaicas e palestinas
leia mais +

O caráter europeu da decisão de formar um Estado judeu, o inegável papel de liderança dos Estados Unidos e da Rússia, o herdeiro da URSS, o papel da chamada “comunidade internacional” —tão frequentemente reduzida ao Conselho de Segurança da ONU— são fatores determinantes na geopolítica que envolve o conflito israelense-palestino. Apesar do fato de que muitos cantos do nosso mundo ainda carregam as cicatrizes da colonização e das manobras geopolíticas das grandes superpotências do século XX, esse conflito é o maior expoente de uma antiga ordem mundial, agora em dissolução.

Nosso mundo agora parece estar mais imerso em uma mudança de ciclo do que esteve em 50 anos. Novos atores, especialmente do setor privado, estão competindo com os Estados-nação, enquanto as organizações multilaterais estão enfrentando a necessidade de reforma.

O que podemos esperar de terceiros Estados, das Nações Unidas ou dos países árabes? Como um problema crônico como Israel e Palestina influencia o status quo na região?

OCTAGON – 4ª SESSÃO
A paralisia da solução de dois Estados e a urgência de um Estado comum
leia mais +

O conflito israelense-palestino incorpora a própria essência da ocupação contra as forças de resistência tática. O processo de paz foi enterrado sob camadas de ofuscação e manobras políticas, deixando uma Palestina politicamente dividida e demograficamente fragmentada diante de um Israel com uma miríade complexa de facções políticas que exigem coalizões difíceis e frágeis. Isso significa, como muitos parecem prever, que a solução de dois Estados está morta? Isso torna remotamente mais viável a promoção de um único Estado? Esta sessão tem como objetivo explorar os cenários que há décadas representam as opções de paz entre as duas frentes, mas também perguntar se alguns dos obstáculos persistentes no caminho para a paz não estão relacionados ao fato de termos forçado um falso dilema ao propor a solução de dois Estados.

Da cautela no terreno ao labirinto multilateral, e mantendo a porta aberta para novas abordagens capazes de superar as armadilhas encontradas até agora, nesta sessão pretendemos delinear uma narrativa crítica dos resultados alcançados até agora pelo construtivismo contemporâneo, que, por sua vez, rompe com o realismo clássico. Ou seja, abrir linhas de fuga que viabilizem um território estável, próspero e justo.

Galeria de fotos OCTAGON 2021